Central de Notícias

Tópicos

Notícias gerais

DAC PRECOCE ASSOCIADA A ELEVADA RECORRÊNCIA DE EVENTOS E MORTALIDADE

   Compartilhar notícia

Esse estudo teve como objetivo avaliar a evolução da doença arterial coronariana (DAC) em pacientes jovens e identificar os fatores de risco para desfechos clínicos.

Participaram do estudo pacientes com idade ≤45 anos, portadores de DAC obstrutiva, aguda ou estável, que foram seguidos prospectivamente. O desfecho primário foi mortalidade por todas as causas, infarto agudo do miocárdio (IAM), acidente vascular cerebral (AVC) e angina refratária necessitando de revascularização.

Foram incluídos 880 pacientes com DAC prematura, idade média 40,1 anos, a maioria homens, fumantes e com história familiar de DAC ou hipercolesterolemia. No período basal, 91,2% foram submetidos a revascularização miocárdica, predominantemente por IAM (78,8%).

Após o seguimento de 20 anos, um terço (n=264) dos pacientes apresentou um total de 399 eventos isquêmicos, e 36%, tiveram pelo menos, um segundo evento recorrente. IAM foi o primeiro evento recorrente mais frequente (n=131 de 264), na maioria relacionado com novas lesões coronarianas (17,3% versus 7,8%, p=0,01); HR 1,45 (IC 95%:1,09-1,93) para novas lesões versus lesão inicial culpada.

Mortes por todas as causas (n=55; 6,3%) ocorreram aos 8,4 anos de seguimento médio. Origem étnica, africanos versus caucasianos, HR 1,95 (IC 95%:1,13-3,35 p=0,02); doença inflamatória, HR 1,58 (IC 95%:1,05-2,36 p=0,03); e tabagismo persistente, HR 2,32 (IC 95%:1,63-3,28 p<0,01), foram as correlações mais fortes com a ocorrência do primeiro evento recorrente.

Quando considerados todos os eventos recorrentes, a persistência no tabagismo foi o fator de maior impacto no prognóstico.

Os autores concluíram, que DAC prematura é uma doença agressiva a despeito das medidas de prevenção atualmente recomendadas, com elevada taxa de mortalidade e eventos recorrentes. Características étnicas e doença inflamatória concomitante estão associadas com pior prognóstico, juntamente com o controle insuficiente dos fatores de risco.

Referência: Collet JP et al. Long-Term Evolution of Premature Coronary Artery Disease. JACC 2019; DOI: 10.1016/j.jacc.2019.08.1002.


Comentários

Nenhum comentário enviado. Seja o primeiro a comentar!