Central de Notícias

Tópicos

Notícias gerais

DEMÊNCIA VASCULAR

Os médicos devem estar atentos aos sinais de declínio cognitivo e comprometimento funcional em pacientes com fibrilação atrial, dizem os pesquisadores.
Novas descobertas sugerem que a fibrilação atrial (FA) está associada a um aumento de 50% no risco de demência em uma população mais velha, mesmo naqueles que não tiveram um evento prévio. No entanto, os pacientes com FA que tomaram anticoagulantes orais tiveram um risco reduzido.
Os pesquisadores examinaram dados de 262.611 pessoas com 60 anos ou mais da coorte sênior do Serviço Nacional de Seguro de Saúde da Coreia, que estavam livres de FA e demência nas matrículas de 2005 e 2012 e foram seguidas até 2013.
O achado de FA foi observado em 10.435 participantes. Após o ajuste, o risco de demência foi significativamente aumentado pela incidência de FA (razão de risco [HR] 1,52; IC 95% 1,43-1,63), mesmo após a exclusão dos pacientes que sofreram acidente vascular cerebral (HR 1,27; IC 95% 1,18-1,37). O estudo também descobriu que a incidência de FA aumentou o risco de doença de Alzheimer (HR 1.31) e demência vascular (HR 2.11). O aumento do escore CHA2DS2-VASc foi associado a um maior risco de demência.
Entre aqueles com incidência de FA, o uso de anticoagulantes orais foi associado a um efeito preventivo no desenvolvimento de demência (HR 0,61).
"Com base nos resultados do presente estudo, os médicos devem estar atentos às manifestações clínicas que implicam qualquer declínio cognitivo e prejuízo funcional em pacientes com FA, especialmente aqueles com um alto escore de CHA2DS2-VASc", disseram os autores.
Referências: Kim D, Yang PS, Yu HT, Kim TH, Jang E, Sung JH, et al. Risk of dementia in stroke-free patients diagnosed with atrial fibrillation: data from a population-based cohort. Eur Heart J. 2019 Jun 18. doi:10.1093/eurheartj/ehz386


Comentários

Responder
luiz
14 Ago 2019
arritmia é como um carro rateando e o seu tempo de fechamento das válvulas fica dessincronizado causando pequenas rupturas e fadigas até comprometer a vida útil (batendo pino)
Responder
Marinho G. Costa
09 Ago 2019
Muito bom artigo Gostei muito
Responder
Flavio Lacer4da
09 Ago 2019
Muito uitl na abordagem com nossos pacientes
Responder
PHALLCHA LUIZAR
09 Ago 2019
Muito obrigada. Informações relevantes para a prática clínica
Responder
Mesaque Rocha
09 Ago 2019
Excelente informação, obrigado
Responder
Joao Rufino Nanque
09 Ago 2019
Lhes fico muito grato, pelo artigo do qual gostei bastante.
Responder
Sérgio F pacca
09 Ago 2019
Excelente trabalho Muito verdadeiro essa ocorrência já observada por mim
Responder
Lidia Angelina
09 Ago 2019
Muito interessante! Gostei muito.
Responder
Flaviano Chinhele
09 Ago 2019
Muito obrigado. Gistei bastante
Responder
Natan
08 Ago 2019
Muito bom o assunto Gostei Muito bom o conteudo
Responder
Luiz. Antonio. P M. Turqueto
08 Ago 2019
É sempre muito bom atualizações com praticidade